quarta-feira, junho 28, 2017

Um Governo Manipulador E Uma Cidadania Em Estado Vegetativo

O truque é conhecido. É preciso atacar o mensageiro para abafar a mensagem. E os tipos do PS são peritos nisso. Num primeiro momento apelou-se ao silêncio que era preciso luto e agora já não se apela a nada porque a tragédia já foi há décadas. Ai, Portugal, Portugal, do Salvador Sobral.
 

A Geringonça Vai Mesmo Passar Uma Esponja Política Por Cima Da Tragédia De Pedrógão Grande?

"As comunicações falharam quase por completo na ajuda às populações e provocaram o caos no momento inicial de combate ao incêndio de Pedrógão Grande. O Público e o Jornal de Notícias referem nas respetivas edições impressas desta terça-feira que as várias entidades envolvidas no combate não conseguiram comunicar de forma efetiva entre si."
 

terça-feira, junho 27, 2017

PS e PSD Com As Mãos Sujas De Petróleo No Algarve

"O Tribunal Administrativo e Fiscal de Loulé aceitou na semana passada mais uma providência cautelar que pretende suspender a realização de um furo ao largo da Costa Vicentina. Há um mês e meio, já um tribunal de Lisboa tinha aceitado uma providência cautelar no mesmo sentido. A admissão destas ações judiciais tem efeitos suspensivos, sendo que caberá agora aos tribunais ouvir todas as partes e, posteriormente, tomar uma decisão. De duas, uma: ou as providências são aceites – e o furo exploratório é suspenso definitivamente – ou são rejeitadas – e a Eni-Galp pode continuar os trabalhos"
 

segunda-feira, junho 19, 2017

A Tragédia de Pedrógrão Grande: É Preciso Abafar A Controvérsia

Já devia bastar. Já roça o ridículo e o absurdo. Há medida que o número de mortos aumenta, os disparates do senhor Presidente da República e similares, aumentam na mesma proporção. Marcelo agora recorre agora à psicologia positiva para elevar o moral dos bombeiros. A Ministra da Administração Interna contorne-se em dor com cada morte. Os responsáveis políticos não existem para isto. Foi repugnante ver a primeira intervenção de Marcelo quando da sua chegada da primeira vez ao local da tragédia. "Fez-se tudo o que havia a fazer" disse; numa tentativa frustrada de matar as interrogações políticas óbvias a fazer. Depois falou o Senhor Primeiro-Ministro "não é altura para interrogações". Os primeiros momentos da intervenção do poder político foram óbvios, perante a percepção imediata do tamanho da catástrofe e da irresponsabilidade política que conduziu à mesma, era preciso evitar a controvésia. Vergonhoso. O abandono do Estado às populações, na prevenção, no combate, e na protecção, está aí todo à vista. Resta a psicologia positiva ao poder político e governamental. Não chega, quando tudo o resto falha.

O MacLoulé Está De Regresso

Depois de um interregno de perto de cinco meses o blogue macloulé está de volta. Um problema técnico esteve na origem do nosso silêncio. E em boa (e má) hora voltámos. Com o país a arder e o abandono das populações do interior. A incúria e a irresponsabilidade política na gestão do Estado com consequências criminosas exige a maior vigilância crítica. O poder da palavra é pois insubstituível. Quando o senhor Presidente da República e o Senhor Primeiro-Ministro Costa tudo fazem para matar as interrogações políticas da tragédia de Pedrogão Grande é fundamental activar as perguntas. Porquê que isto aconteceu? Do ponto de vista regional, o crime político da exploração de petróleo em Aljezur e as criminosas portagens da Via do Infante, só por si, justificariam o regresso deste uso da palavra. Até já. E sim, eu sei. Não há movimentos de um.

quinta-feira, fevereiro 09, 2017

Continuem Com Orelhas Moucas, Depois Queixem-se

Hoje foi dia de protesto à porta da Câmara Municipal de Loulé contra a exploração de petróleo no Algarve (O governo de António Costa aprovou o furo no mar de Aljezur). O senhor Presidente da Câmara de Loulé ignorou-nos (passou pelo local do protesto sem dirigir a palavra aos manifestantes e foi à sua vida). A polícia ameaçou-nos com uma multa se derramassemos um líquido preto à porta da sede do Partido Socialista num acto simbólico de descontentamento com a exploração de petróleo, o que nos impediu de fazer o protesto. A exploração de petróleo está aprovada e ninguém nos protege. Só temos um remédio. Voltar ao protesto à porta da Câmara Municipal de Loulé dentro dos próximos dias para que nos oiçam. Isto já não para. Há muita gente que não gosta mas é a vida. Não se pode agradar a toda a gente.

Demita-se Senhor Ministro Do Ambiente

Ouvido logo pela manhã na Rádio Comercial e na M80; "Movimento Algarve Livre de Petróleo pede a demissão do Ministro do Ambiente João Matos Fernandes". Este movimento de cidadãos considera que um Ministro do Ambiente que acha normal a autorização da prospecção de petróleo no mar do Algarve perdeu as condições para o exercício do cargo.

quarta-feira, fevereiro 08, 2017

Carta Aberta Aos Autarcas Do Algarve (Sobre A Entrega Do Algarve À Indústria Petrolífera)

Carta Aberta Aos Autarcas Do Algarve

Data: Loulé, 09/02/2017
 
Excelentíssimos senhores autarcas da região do Algarve;

Estamos hoje aqui, à porta da Câmara Municipal de Loulé, para mostrar a nossa indignação e revolta com a aprovação da prospecção e exploração de petróleo ao largo de Aljezur pelo Governo Socialista de António Costa.
Estamos aqui para vos interrogarmos sobre o valor de uma consulta pública em Portugal, quando o resultado da consulta pública à população portuguesa sobre a exploração de petróleo pelo consórcio ENI/GALP, ao largo de Aljezur, foi de mais de 40000 votos contra a prospecção e exploração e uns residuais 4 votos a favor. Estamos aqui para denunciar este embuste democrático e para vos perguntar que concepção de democracia subjaz a uma decisão deste tipo que joga a consulta pública levada a cabo pelos organismos oficiais do Estado para o lixo.

Estamos aqui também porque não achamos normal que o Ministro do Ambiente ache normal a autorização governamental para explorar petróleo nos mares do Algarve e Alentejo e vimos por este motivo exigir a demissão do Ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, cujas declarações ao jornal Expresso de dia 4/02/2017, são mais próprias de um Ministro do Petróleo. Que Ministro do Ambiente é este que defende os negócios das empresas de exploração de petróleo em detrimento do desenvolvimento sustentável no nosso país e de um futuro digno das jovens gerações?

Estamos aqui para apelar também a que todos os cidadãos do Algarve, grupos, associações e movimentos sociais se mobilizem, estejam presentes e levantem a sua voz no próximo dia 18 de Março, aproveitando a presença do Senhor Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, em Faro, na Escola de Hotelaria e Turismo, para exigir que este exija ao governo de António Costa a imediata paragem da prospecção e exploração de petróleo no mar do Algarve. Neste dia o Movimento Algarve Livre de Petróleo irá oferecer um bilhete de ida à Lua ao Senhor Presidente da República para lhe lembrar que está quase a chegar lá e desafia desde já os autarcas do Algarve a estarem presentes, assim como o Dr. Jorge Botelho da AMAL, para em conjunto, agirem no sentido de se parar de uma vez por todas esta enorme opressão sobre a vida das populações do Algarve.

Estamos aqui também para denunciar a vergonhosa encenação do Governo da Geringonça, que fez passar a ideia, no passado mês de Dezembro de 2016, junto da opinião pública, que teria revogado os contratos de exploração de hidrocarbonetos no Algarve, para uns dias depois, a 11 de Janeiro, aprovar à sucapa no recôndito dos gabinetes ministeriais o furo no mar de Aljezur.
Estamos aqui para vos dizer que tudo faremos para que a exploração de petróleo no Algarve não avance e para vos prometer uma resistência feroz!

P’lo Movimento Algarve Livre de Petróleo

terça-feira, fevereiro 07, 2017

Nojo

O governo de António Costa aprovou a exploração de petróleo no Algarve. Mentiu às populações fazendo passar a mensagem através dos media de que os contratos de exploração de petróleo no Algarve tinham sido cancelados, uma redonda mentira. Fez uma consulta pública que jogou para o lixo. O Ministro do Ambiente acha normal a exploração de petróleo no mar de Aljezur e a resistência e a indignação das populações é ínfima ou próxima de zero. Portugal não se recomenda. Temos o que merecemos, ponto final.

domingo, fevereiro 05, 2017

Aviso de Protesto Entregue, A Geringonça Petrolífera Vai Ter Que Nos Escutar!

Ex.mo Senhor Presidente da Câmara Municipal de Loulé
Dr. Vítor Aleixo
Data: Loulé, 05/02/2017
Assunto: Aviso de protesto em Loulé, dia 9 de Fevereiro, pelas 17h, contra a exploração de petróleo no Algarve – Exigência de pedido de demissão do Senhor Ministro do Ambiente, João Matos Fernandes
 
O Movimento Algarve Livre de Petróleo (MALP) informa que vai levar a cabo um protesto dia 9 de Fevereiro, pelas 17 horas, em frente à porta da Câmara Municipal de Loulé para mostrar a sua indignação e revolta com a aprovação da prospecção e exploração de petróleo ao largo de Aljezur pelo Governo Socialista de António Costa e da Geringonça.
Neste dia este movimento de cidadãos vai querer saber o que vale uma consulta pública em Portugal quando o resultado da consulta pública à população sobre a exploração de petróleo pelo consórcio ENI/GALP ao largo de Aljezur foi de mais de 40000 votos contra a prospecção e exploração e 4 a favor. O MALP pergunta ainda que concepção de democracia está subjacente a uma decisão deste tipo que joga a consulta pública levada a cabo pelos organismos oficiais do Estado para o lixo.
Este conjunto de cidadãos também não acha normal que o Ministro do Ambiente ache normal a autorização governamental para explorar petróleo nos mares do Algarve e Alentejo e vem por isso exigir a demissão do Ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, cujas declarações ao jornal Expresso de dia 4/02/2017, são mais próprias de um Ministro do Petróleo.
O Movimento Algarve Livre de Petróleo vai apelar também que todos os cidadãos do Algarve, grupos, associações e movimentos sociais se mobilizem, estejam presentes e levantem a sua voz no próximo dia 18 de Março, aproveitando a presença do Senhor Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, em Faro, na Escola de Hotelaria e Turismo, para exigir que este exija ao governo de António Costa a imediata paragem da prospecção e exploração de petróleo no mar do Algarve. Neste dia o MALP irá oferecer um bilhete de ida à Lua ao Senhor Presidente da República e desafia desde já os autarcas do Algarve a estarem presentes, assim como o Dr. Jorge Botelho da AMAL, para em conjunto, agirem no sentido de se parar de uma vez por todas esta enorme opressão sobre a vida das populações do Algarve.
O MALP avisa ainda o senhor Presidente da Câmara de Loulé, Dr. Vítor Aleixo, que no dia 9 de Fevereiro far-se-á também uma marcha de protesto na Praça da República onde se parará à porta do Partido Socialista para derramar um garrafão com um líquido escuro, com o duplo significado simbólico, do repúdio pelo derrame de petróleo em cima da vida dos cidadãos do Algarve e de repúdio pela sujidade da política partidária e dos políticos que nos governam que atingiu contornos de indecência inimagináveis ao cidadão comum.
P'lo Movimento Algarve Livre de Petróleo